Matéria da EBI na Folha Universal


Saiu na Folha Universal em 26 de Maio/2013 
E claro não pudíamos deixar de registrar aqui...
A banalização de comportamentos eróticos na mídia tem estimulado crianças a substituir a infância por imitações da vida adulta. A qualquer hora do dia ou da noite, é possível encontrar na televisão moças com roupas curtas rebolando ao som de músicas que remetem ao ato sexual. Em filmes, seriados e novelas, personagens escandalosas, cenas de sexo, vocabulário chulo, violência e a vulgarização da mulher dominam. Tudo isso é acompanhado por pais e filhos como algo natural. Na internet, os exageros se repetem.
Um dos casos mais recentes envolvendo erotização de menores está sendo investigado pelo Ministério Público de Niterói, no Rio de Janeiro. Há denúncias de que as coreografias do grupo Bonde das Maravilhas – com integrantes entre 13 e 20 anos de idade – tenham apelo sexual. Um dos vídeos do Bonde já foi acessado mais de 26 milhões de vezes na web. Em defesa do grupo, seu empresário afirmou ao portal UOL que as músicas não são eróticas e fez uma revelação preocupante para os pais: o Bonde deve lançar músicas para o público infantil.
Enquanto isso, programas de auditório exploram a imagem de crianças que mais parecem adultos em miniatura. Em lojas de roupas, muitos trajes infantis são cópias idênticas de peças típicas do vestuário das chamadas “periguetes”, sempre muito curtas e justas. Indústrias de cosméticos investem em maquiagem para meninas e uma infinidade de produtos de beleza infantis ocupa prateleiras de supermercados e farmácias em recipientes coloridos e chamativos. Como se não bastasse essa lição de “faça como eu faço”, uma empresa de bebidas alcoólicas chegou ao absurdo de criar um “espumante” sem álcool com garrafas semelhantes às da bebida para adultos. A diferença é que a embalagem do refresco infantil trazia personagens de desenhos animados.
Diante desse cenário, como evitar a erotização precoce das crianças e a invasão do mundo infantil por coisas típicas de gente grande? Segundo a coordenadora da EBI (Educação Bíblica Infantojuvenil) São Paulo, Jane Garcia, os pais devem ser responsáveis por traçar os limites para os filhos. “Não dá para fugir. Desde que o mundo é mundo há o lado obscuro. O problema é que hoje essas influências negativas estão mais acessíveis para as crianças. Os pais devem investir na educação, colocar limites e regras por meio do diálogo e do próprio exemplo”, explica a coordenadora, que ainda atua no Pré-Sisterhood, trabalho da Universal aberto para meninas de 6 a 14 anos.
Jane destaca a importância de se resgatar os valores perdidos durante as transformações da sociedade. De acordo com a especialista em educação, essa é uma das grandes preocupações das reuniões no Pré-Sisterhood. “A essência é fazer com que as meninas se sintam bem com elas mesmas e que elas se transformem em pessoas melhores. Resgatamos coisas que a sociedade tem deixado de lado, a essência do que é ser mulher, a feminilidade”, explica. Jane argumenta que a criança precisa ter responsabilidades, como fazer os deveres escolares, organizar os brinquedos e ajudar os pais nas tarefas da casa.
Dar limites não é tarefa fácil, mas a criança é capaz de fazer opções corretas quando bem orientada. “Os pais devem explicar o que é certo e o que é errado, lembrar que há o livre-arbítrio e que as escolhas erradas podem ter consequências futuras”, avalia. Ela ensina que, quando uma criança pedir para usar uma roupa muito curta e chamativa, o adulto deve explicar que aquela vestimenta não é boa, porque pode atrair a atenção de pessoas maldosas. Já os comportamentos inadequados como gritos, palavrões e desobediência devem ser explicados como uma forma de desagradar os pais e a Deus e, portanto, não são boas atitudes.
A tecnologia também rouba espaço de ursinhos de pelúcia, bonecas e carrinhos. Crianças que mal sabem falar já conseguem se virar muito bem com computadores, celulares e internet, tudo com a aprovação entusiasmada de pais e mães que ignoram os riscos envolvidos. Alguns ainda filmam os filhos dançando de maneira erótica e expõem as imagens na internet, incentivando-os a se tornarem adultos precocemente. A vigilância dos responsáveis pode ser o caminho para minimizar os exageros. “Os pais não devem deixar as crianças soltas, o perigo pode estar em casa! É preciso acompanhar as atividades dos pequenos e bloquear conteúdos impróprios”, ensina Jane Garcia.
Conectados
O livre acesso de crianças à internet é cada vez mais comum no Brasil. O problema é que, sem supervisão dos pais, a web pode se transformar em porta de entrada para conteúdos perigosos para os pequenos. Propaganda inadequada de produtos, bate-papo com estranhos e acesso a sites que promovem o ódio, a violência e a pornografia são alguns dos possíveis riscos.
Pesquisa do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) mostra que 53% das crianças e jovens de 9 a 16 anos usam a internet todo dia para entrar em redes sociais como o Facebook e o Twitter. O levantamento “Tic Kids Online Brasil 2012” ainda aponta que 66% acessam a web para assistir a vídeos, 54% para jogar games com outras pessoas e 54% para enviar mensagens instantâneas a amigos. Apenas 13% dos entrevistados usam a internet diariamente para fazer as atividades escolares.
Embora a maioria das redes sociais proíba a participação de menores de 14 anos, 42% das crianças entre 9 e 10 anos, 71% das de 11 e 12 anos e 80% dos adolescentes entre 13 e 14 anos possuem contas em redes sociais.
Dos participantes de 9 a 16 anos que utilizam redes sociais, 86% compartilham fotos que mostram seus rostos, 13% revelam seu endereço e 12% expõem o número de telefone. Desses, 22% passaram por alguma situação ofensiva na internet. Entretanto, apenas 6% dos pais acredita que os filhos tenham sofrido algum incômodo ou constrangimento. O estudo foi realizado pelo instituto Ipsos e ouviu 1,6 mil crianças e adolescentes entre 9 e 16 anos e 1,6 mil pais, entre abril e julho de 2012.

0 comentários: